Páginas

terça-feira, 25 de março de 2014

Sem Ti




Sem ti o dia é mais longo

E na noite tingida de negro

Debandam as estrelas do céu

Deixando-me no olhar a bruma de um véu


Sem ti o meu andar é tardio

Arrastando as correntes da ausência

Enraizando os pés na calçada

Na qual estremo a minha carência

 

Sem ti sou mão caída, á espera,

De braços lançados, em chamas

 Um colo inóspito que exaspera

 De um corpo informe, Quimera


Sem ti sou pouco mais que um vazio,

 Uma tela sem tinta nem cor

 Um mar à espera de sal

 Uma parede à espera de cal

 

Fernanda Paixão

25-03-2014