Páginas

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Quebro



Quebro

Às vezes quebro
Sem motivo aparente ou razão maior
… Quebro
Às vezes,
Cansada na luta
as armas depostas,
braços pendentes e olhar infinito
…. Quebro

Quebro pelo caule,
Bem junto à raiz
No aroma da terra
Tal flor tecida a filigrana!
E quando o fim impõe o quebrar
Nem mão firme ou terra dura ..
brisa suave, que os cabelos me ondula,
Atalham o meu fracturar
E nessa quebra,
de pedaços errantes no chão,
Reconstruo – me a florar,
Qual ciclo da vida … eterno cambiar

Fernanda Paixão
27-02-2013