Páginas

domingo, 29 de abril de 2012

Descobri-te


Descobri-te

Descobri-te,
desnuda, coberta com pó.
Deitada no chão,
enrolada, sem dó.
Talvez a idade te tenha tombado e
A minha indiferença te tenha calado.

Descobri-te,
esquecida, és-me indiferente
Na tua ausência tornei-me em crescente.

Descobri-te,
pequena, mirrada e em pranto
Trazias nos olhos o meu desencanto.

Descobri-te
Fechada e voltei a esconder-te
Não quis no seio voltar a acolher-te

Mágoa


Fernanda Paixão
20120218