Páginas

sexta-feira, 30 de março de 2012

Nada







Nada,
Qual éter volátil!
Nada!
Nem som,
Nem sorriso,
Nem tu,
Nada!
O vazio…
A mão fria e trémula que percorre o teu espaço
Os olhos que indagam as sombras da noite
O corpo que se aniquila na ausência.
Nada!
Agora que clamo por ti,
Que te aguardo e te guardo em inquietos arquejos
Que te velo e desvelo em linhos orlados a prata,
Nada!
Grito em sinfonias mudas o teu nome,
Afago a fronha que demora por ti,
Observo a porta que se abrirá ao teu passo…
Nada!
Já cansada, na espera que se fez longa e vazia
Deixo o teu corpo inventado repousar junto ao meu
Deixo os teus olhos, que os meus imaginam, acalmar.
E,
Do Nada da noite da espera
A luz que a manhã faz tão suave
Beija o teu corpo vero e quente
Que a meu lado se embala dormente.
E,
Porque te sei fatigado
Embalo-te no meu regaço
Qual delicada criança que abraço!

2011-11-04
By Fernanda Paixão