Páginas

quarta-feira, 14 de julho de 2010

O lado de dentro


Virei-me ao contrário.
Mostrei o lado de dentro,
Entreguei ao mundo o meu sentimento.

Não mostrei as entranhas nem o sangue nas veias
Mostrei ao mundo a minha alma e as suas teias.

Com ingenuidade e pouca ambição
Transportava ao relento o meu coração

Os lobos vieram com os dentes afiados
Quais lobisomens tão esfomeados.

Com utopia acreditei na bondade humana
Fui invadida por uma tristeza mundana

Hoje piso o caminho com leve pegada
Sigo o meu trilho já abnegada

Temente aos homens e às suas gingadas
No meu coração apenas deixam dedadas

Olho o futuro ainda com esperança
Que reine em nós um sorriso de criança

Continuo ainda a acreditar
Que o lado de dentro se vai poder mostrar



By Fernanda Paixão
2010-07-14