Páginas

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Há dias…



Há dias em que Sofremos
Sem saber porquê
Há dias em que parece que o mundo se vira ao contrário
Há dias em que o nada parece infinito e o infinito parece vazio
Há dias em que os olhos parecem não olhar e a alma parece trovejar,
Aqueles dias em que um pequeno nada parece arrancar-nos o coração do peito
e nos deixa o sentimento desfeito, deitado na lama.
Há dias em que o céu parece cinzento e o sol teima em não brilhar.
Há dias que teimam não acordar.
Quando esses dias se instalam, se impregnam na pele e arrebatam o sonho … vale a pena gritar.
Gritar ao mundo, Gritar ao vento
Porque o desalento não pode durar…
E assim libertar o sofrimento e
Gritar!
Gritar!
Gritar do cimo de uma montanha colada ao céu
Gritar através da alma e mesmo sem calma
Gritar mesmo sem falar através de uma trova
E mesmo que chova
Deitada na relva sentido as gotas na pele molhada e assim embalada
Voar!
Voar livre
Voar em sonhos febris
Voar porque o sofrimento não se diz
Voar porque se é feliz …


By Fernanda Paixão
2010-06-28