Páginas

sábado, 15 de maio de 2010

Velhinho




Vejo aquele velhinho
Sentado naquele banquinho
Tentando dar o carinho
Que outrora lhe negaram.

Olho para ele e vejo
Os seus olhos a sorrir
A quererem transmitir
Uma história de outros tempos.

Vejo as suas mãos enrugadas
Que acompanham cansadas
Cada uma das pegadas
Para sempre impregnadas nas suas longas jornadas

E com esforço notável
Começa o velhinho a contar
Como no seu tempo também era
Uma difícil arte Amar.

Relata então com ardor, com verdadeiro fervor
A história que ele viveu e que ainda não morreu!

Não morreu nem vai findar
Aquele calor ardente, aquele sentimento envolvente, aquela maneira de AMAR!

By Fernanda Paixão
18/10/1988
Modificado em 12/04/2010